Diabetes e dietas hiperproteicas

Por que controlar o consumo de proteínas? A nutricionista Gabriella Fernandes Gachet explica.

Tem diabetes e quer perder peso? Veja como controlar o consumo de proteínas na sua dieta.

O QUE É DIABETES?

O diabetes é uma doença metabólica caracterizada pelo aumento da glicose (açúcar) circulante no sangue, sem que este seja captado pelas células. A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável pela regulação dos níveis de glicose no sangue.

TIPOS DE DIABETES

O diabetes pode ser do tipo I ou do tipo II:

DIABETES TIPO I

O pâncreas não produz insulina e, com isso, a glicose deixa de ser captada pelas células. É comum aparecer em crianças e jovens.

DIABETES TIPO II

é o tipo mais comum, que afeta principalmente pessoas idosas e acima do peso. Neste caso, além da diminuição na produção da insulina, as células desenvolvem resistência a sua ação, o que eleva os níveis de glicose circulando no sangue.

DIETA SOB CONTROLE

A dieta da pessoa com diabetes deve ser muito bem controlada, pois se for inadequada, pode levar tanto ao aumento da glicose quanto a sua queda brusca.

A INGESTÃO DE PROTEÍNAS NA DIETA DE UM DIABÉTICO

As proteínas merecem uma atenção especial. Presentes principalmente nas carnes, nos ovos e no leite, elas são indispensáveis para o bom funcionamento do organismo. Porém, também podem ser convertidas em glicose se consumidas em excesso.

Também é muito comum, quando o diabetes não é controlado, o paciente desenvolver outras doenças, como nefropatia diabética, uma complicação renal associada ao diabetes.

Nesse caso, uma dieta hiperproteica, ou seja, com quantidade alta de proteínas, pode levar a um agravamento nos danos aos rins, com perda gradativa da sua função até a paralisação completa do órgão.

RECOMENDAÇÃO DE INGESTÃO DO NUTRIENTE

A Sociedade Brasileira de Diabetes recomenda ingestão de 0,8 a 1,0 grama de proteína para cada quilo de peso do paciente por dia. O médico e o nutricionista irão indicar como deve ser feita essa dieta, de acordo com as particularidades de cada pessoa e se possui ou não doença renal associada ao diabetes.

Aqui vão as quantidades de proteínas encontradas em alguns alimentos:

  • Filé de merluza assado: 26,6 g
  • Almôndegas (5 unidades): 18,2 g
  • Coxa de frango cozida sem pele: 26,9 g
  • Leite de vaca desnatado em pó (2 colheres de sopa): 17,5 g
  • Feijão preto cozido (1 concha grande): 4,5 g
  • Suco de laranja (1 copo pequeno): 0,7 g

DIETA PARA DIABÉTICOS

Para evitar uma dieta hiperprotéica, que possa agravar a sobrecarga renal, siga essas dicas:

  • Evite alto consumo de carnes em geral, leite e ovos; as proteínas são importantes, mas deve-se ter cuidado com o excesso
  • Priorize uma alimentação colorida, rica em frutas, legumes e verduras e de acordo com as orientações do médico e do nutricionista
  • As proteínas da soja e das aves são menos agressivas para os rins, podendo ser incluídas na dieta do paciente com diabetes
  • Mantenha sua dieta constante: evite exagerar só porque está de férias ou chegou o final de semana
  • Ao se alimentar fora de casa, procure saber o tamanho das porções das carnes, sempre evitando carnes com gordura, frituras e molhos que contenham creme de leite, maionese e queijo
  • Sempre prefira cereais integrais (pão integral, arroz integral, aveia em flocos), pois as fibras evitam que a glicose no sangue se eleve muito rapidamente após as refeições

A Gabriella Fernandes quer saber qual assunto você deseja que ela aborde em sua coluna mensal. Envie a sua sugestão para: nutricao@dietaereceitas.com.br